imgheight="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=368964349309808&ev=PageView&noscript=1" /

Imperícia: 5 dicas de como melhorar a conduta da frota 

A imperícia é uma grande geradora de prejuízos para as frotas. Afinal, conduzir o veículo sem o conhecimento e habilidade específica é considerado ato de imperícia e pode, além de causar sinistros de trânsito, gerar  impactos na frota.

Confira neste artigo quais são as possíveis consequências da imperícia e como você pode reverter a situação, evitando prejuízo para a empresa e colaborando para um trânsito mais seguro. Boa leitura!

Entenda o que é a imperícia no trânsito  

A imperícia pode ser definida como a falta de capacidade técnica ou de habilidade para determinado comportamento na condução, ou seja, ocorre quando o motorista não sabe dirigir com aquela especificidade.

É bem comum em casos de condutores de carros de porte pequeno que tentam dirigir caminhonetes ou caminhões, por exemplo.

Se o motorista persistir na condução, mesmo com a sua inabilidade, esse comportamento é caracterizado legalmente como imperícia. Nesse caso, a empresa também pode responder pelas consequências do ocorrido.

Qual a diferença entre imperícia, imprudência e negligência?   

Mesmo sabendo o que é imperícia, alguns ainda têm a dúvida: qual é a diferença desse termo para negligência e imprudência?

Esses são erros típicos no trânsito e, por isso, todo gestor deve entender bem deles. Conheça a seguir a diferença entre imperícia, imprudência e negligência:

Imperícia  

Como destacamos, imperícia é a falta de habilidade ou experiência na condução. Essa falta pode acabar gerando sinistros  e colocando a vida do motorista e dos demais em risco.

Imprudência  

A imprudência significa que o condutor sabe fazer a ação corretamente, mas escolhe fazê-la de forma incorreta, ou seja, agir de maneira precipitada e sem cautela.

São atos que podem resultar em sinistros  de trânsito quando tratados levianamente, como dirigir em alta velocidade ou fazer ultrapassagens proibidas.

Negligência  

Já a negligência é a falta de zelo, descuido, omissão. Enquanto a imprudência é fazer o errado precipitadamente, a negligência significa não fazer o que deveria ser feito. Os exemplos mais comuns são a falta de manutenção no veículo e conduzir com pneus gastos.

Saiba as consequências da imperícia para a frota   

Sabendo a definição e a diferença de negligência, imprudência e imperícia, é o momento de entender quais consequências a imperícia traz para a frota:

Risco de sinistros de trânsito 

Segundo os dados registrados pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), 5.615 pessoas morreram em 67.638 sinistros registrados entre janeiro e dezembro  de 2023.

Isso significa 15 mortes por dia em  2023. A imperícia, infelizmente, ainda é a grande causa de sinistros de trânsito  no país.

Aumento no custo da frota   

Sinistros de trânsito são fatores que custam bastante para toda a sociedade. A falta de atenção, a ultrapassagem indevida e a embriaguez estão no topo dos maiores causadores de mortes no trânsito no Brasil e, também, os maiores causadores de prejuízos.

A empresa terá que custear o conserto, as indenizações e tudo o que resultar do sinistro de trânsito. Por isso, recomendamos contar com um seguro de frota para casos como o de imperícia.

Queda na produtividade    

Sinistros  e problemas jurídicos resultam em baixa produtividade, até porque a empresa estará perdendo dinheiro que poderia ser melhor investido. O automóvel ficará inviabilizado, e a equipe desmotivada.

Cargas danificadas   

A imperícia também pode provocar danos às cargas mesmo que o sinistro  seja pequeno e não resulte em nenhum problema ao motorista ou aos outros envolvidos. Esse é um problema para a produtividade da empresa e um grande prejuízo para os custos da frota.

Prejuízo com os clientes  

Problemas no trânsito atacam a empresa de várias formas. Entre elas, estão:

  • o prejuízo à reputação da marca;
  • os danos aos materiais;
  • o atraso na entrega dos materiais ao cliente.

Há vários outros problemas. Em todos, o cliente sai insatisfeito.

Como o gestor de frota pode identificar atos de imperícia?  

O gestor da frota deve manter o olhar atento aos casos de sinistros da empresa. Procure entender por que aquilo aconteceu, qual foi o motivador. Caso identifique que o problema ocorreu por imperícia do condutor, é preciso tomar medidas para evitar que isso aconteça.

Os casos de imperícia podem ser detectados por meio de uma boa gestão de riscos da frota, que permite identificar pontos que precisam de atenção e estabelecer ações para melhoria. 

Em casos de imperícia, por meio do monitoramento da frota com softwares de monitoramento ou rastreador veicular, é possível identificar as condutas dos motoristas. A partir disso, é possível oferecer treinamentos para melhoria do seu desempenho.

5 dicas de como minimizar a imperícia na frota  

Com tantos problemas resultantes da imperícia, a empresa deve fazer o possível para que ela não ocorra. Então, confira as nossas dicas:

1.  Invista em treinamentos e ações de conscientização  

Definitivamente, os treinamentos são essenciais para evitar erros. Os motoristas devem estar devidamente habilitados para dirigir em todos os requisitos exigidos pela empresa e devem saber evitar erros e sinistros de trânsito .

Por isso, o gestor deve trabalhar na capacitação dos motoristas junto ao RH. Eles devem saber: 

  • como lidar com as condições adversas da via;
  • direção defensiva;
  • estar ciente das leis de trânsito.

Além dos treinamentos, as ações de conscientização contra imperícia também são importantes para monitorar o desempenho dos colaboradores e promover que ele continue a colocar em prática a empatia e o respeito no trânsito.

2. Reforce os requisitos na hora de contratar profissionais  

A qualidade na seleção de profissionais é uma prática essencial para todo trabalho em qualquer empresa.  No entanto, nas frotas isso pode representar muitas vidas salvas. Todo novo colaborador deve receber os treinamentos necessários e alinhar todas as questões com a empresa.

O RH deve ser criterioso, buscando referências, analisando multas e antecedentes na carteira de motorista e verificando as capacidades do novo colaborador.

3. Monitore com mais eficiência as atividades da frota  

Você deve manter o melhor controle de frotas possível. O monitoramento das atividades com a ajuda da tecnologia permite saber, inclusive, quais são os vícios na direção de alguns motoristas e se esses podem causar sinistros de trânsito.

Esses dados podem ser usados para deixar os treinamentos mais personalizados. Alinhe esse monitoramento ao planejador de rotas. Com isso, você ainda pode evitar vias com problemas, e diminuir a probabilidade de sinistros  acontecerem.

4. Analise dados sobre sinistros de trânsito  

Ao analisar os dados referentes a sinistros de trânsito , o gestor conseguirá visualizar como anda o desempenho dos motoristas e qual sua conduta no trânsito.

Por meio dessa análise, é possível entender as causas mais comuns de sinistros de trânsito  por imperícia e traçar estratégias para evitar essa conduta.

5. Crie uma cultura de segurança na empresa  

A cultura envolve os valores da empresa. Promover uma cultura de segurança na sua organização é possível por meio de uma capacitação adequada dos condutores. Quando os colaboradores são conscientizados sobre as práticas de direção segura e treinados para enfrentar o trânsito, os riscos de imperícia diminuem. 

Para isso, reforce a comunicação na empresa evidenciando a importância do uso de equipamentos de segurança, fale sobre a legislação de trânsito e direção defensiva com os funcionários de forma ativa. 

o treinar a sua equipe, você eleva o nível de consciência dos funcionários, aumentando a segurança da frota.

Conheça os treinamentos da Younder para promover um trânsito mais seguro e diminuir os riscos de imperícia na sua frota. Fale com um de nossos especialistas!

Posts Relacionados