Gestão de Frotas

Arla 32: entenda como minimizar a emissão de poluentes

Escrito por: Equipe Younder

O objetivo é que o Arla 32 diminua a concentração de materiais tóxicos no meio ambiente, como os gases de óxido de nitrogênio (NOx), durante a queima do combustível.

Se você é um gestor e busca opções para conseguir minimizar os poluentes da frota, então é importante saber como funciona e para que serve o Arla 32.

Já existem algumas soluções que ajudam a minimizar a poluição dos veículos de frotas para o meio ambiente, como lavagem ecológica, consumo reduzido, emissões menores e fluidos antipoluentes, como o Arla 32. 

Confira a seguir tudo sobre o Arla 32, para que serve e algumas dicas de como usá-lo para conseguir reduzir a poluição dos veículos da frota. É só seguir a leitura!

O que é o Arla 32? 

Para evitar que os veículos continuem a causar tanta poluição atmosférica, o Brasil adotou o Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores (Proconve) em 1986. 

Na primeira fase, o programa limitou a emissão de poluentes, e esse foi o começo do que resultaria em muitas outras etapas, com o objetivo de:

  • Desenvolver novas tecnologias;
  • Modernizar a indústria automotiva brasileira;
  • Especializar a mão de obra;
  • Reduzir a emissão em 97% e muito mais. 

Em 2002, o Proconve aumentou para abarcar motociclos e veículos similares e, em 2012, surgiu a fase 7, em que ônibus e caminhões do ciclo diesel devem ser fabricados com capacidade de pós-tratamento dos gases de escapamento.

E é aí que entra o Arla 32.

Isso porque o combustível Arla é à base de ureia de alta pureza e funciona nos sistemas de pós-tratamentos SCR (Selective Catalytic Reduction ou, na tradução, Redução Catalítica Seletiva). 

O objetivo é que o Arla 32 diminua a concentração de materiais tóxicos no meio ambiente, como os gases de óxido de nitrogênio (NOx), durante a queima do combustível. 

A partir desse processo, o óxido de nitrogênio se transforma apenas em nitrogênio e vapor de água. 

É obrigatório o uso do Arla? 

É importante lembrar que o uso do Arla não é opcional, e sim obrigatório pelo menos para alguns modelos de ônibus, caminhões e outros veículos de grande porte.

A verdade é que a maioria dos veículos produzidos no Brasil atualmente contam com a tecnologia SCR e funcionam com o uso do Arla 32. 

A falta desse combustível pode causar prejuízos ao gestor de frotas ou ao transportador, que estará sujeito a multas

Os veículos mudam muito com o tempo, certo? E a chegada dos caminhões automáticos foi uma grande vantagem para as transportadoras. 

Há muitos benefícios em aproveitar o melhor da tecnologia! Entenda mais sobre esses caminhões aqui.

Qual a importância de utilizar o Arla 32?

O uso do Arla 32 tem vários benefícios. O mais óbvio, claro, é a baixa emissão de gases, o que faz bem para o meio ambiente e, também, para os seres humanos. 

O motorista fica mais protegido a partir do Arla 32, já que o óxido de nitrogênio pode causar diversos problemas, como ardências, alergias e doenças respiratórias

Além disso, o próprio veículo também ganha mais segurança, já que um produto clandestino pode depositar materiais no sistema do carro, o que causa danos irreversíveis. 

Para o gestor de frota, o uso incorreto do Arla pode elevar os custos da operação, pois o mau funcionamento do veículo resulta em aumento do consumo do combustível. 

Por esses diversos motivos, qualquer irregularidade no uso do Arla 32 é entendido pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB) como infração grave. 

Você pode evitar danos de todos os tipos com uma boa manutenção preditiva! Entenda o processo clicando aqui.

Como é utilizado o produto? 

Primeiro, lembre-se de garantir, durante a compra, que o produto não seja clandestino ou de fabricação caseira. O seu fornecedor deve ser certificado pelo Inmetro.

Desde 2012, veículos pesados, como caminhões e ônibus, já passaram a ser produzidos com o sistema SCR. Assim, a indústria automobilística passou por adaptações para facilitar o uso do Arla 32.

Dicas práticas para o uso:

  • O Arla 32 não deve ser colocado no tanque de combustível;
  • O Arla 32 não deve ser misturado com água;
  • Os veículos com sistema EGR não utilizam o combustível Arla 32;
  • Veículos adaptados ao Arla 32 têm espaços separados (normalmente, ao lado do tanque de combustível, em cor azul) para que o produto seja adicionado;
  • Uma vez adicionado o Arla 32, o seu próprio veículo cuidará das etapas seguintes.

Quais veículos aceitam o produto? 

O Arla 32 é utilizado em veículos que funcionam a partir de óleo diesel, como ônibus, caminhões e veículos off-road. No Brasil, todos os veículos fabricados a partir de 2012 constam no painel um indicador para o Arla 32.

Como acompanhar a validade do produto nos veículos da frota?

O seu veículo irá informar a respeito dos níveis baixos do Arla 32 no tanque, e esse acompanhamento é bem fácil de se fazer. Mas como saber se a validade ainda está boa?

Normalmente, o Arla dura de 6 a 12 meses, a depender das condições de armazenamento. Em temperaturas de até 30º, pode durar até 12 meses, mas se aumentar, a validade será de 6 meses. Se for exposto à luz solar, é provável que estrague.

As grandes frotas devem manter um rígido controle do produto nos veículos. Utilize registros, como planilhas ou documentos online com todas as datas importantes.

O Arla 32 oferece risco à saúde dos colaboradores? 

Não se preocupe, pois este produto não oferece riscos à saúde! Ao contrário, ele evita riscos ao veículo, ao meio ambiente e aos colaboradores. Não é um produto inflamável, nem pode causar explosões. 

Além disso, o contato com a pele não é imediatamente prejudicial, então o necessário é apenas lavar o local com água corrente, caso tenha contato.

Mas para que você evite todos os tipos de risco para a frota, confira o nosso artigo e entenda como prevenir acidentes.

Gostou das nossas dicas? Nós temos muito mais conteúdos de aprendizagem para você! 

Oferecemos treinamentos para frotas, práticos ou teóricos, remotos ou presenciais. Confira os nossos serviços e fale com um especialista!