Treinamento e Desenvolvimento

Absenteísmo: Confira 7 passos para diminuir a taxa dentro da empresa

Escrito por: Equipe Younder

A taxa de absenteísmo é quem aponta as ausências dos colaboradores em expedientes e pode trazer insights significativos com relação à produtividade e o clima organizacional da sua empresa.

Você sabe o que quer dizer absenteísmo?

É importante ter conhecimento do termo, pois empresas que não dão a devida atenção ao absenteísmo podem ter a produtividade prejudicada.

Essa taxa é um dos maiores indicadores dos Recursos Humanos. Ela é quem aponta as ausências dos colaboradores em expedientes e pode trazer insights significativos com relação à produtividade e o clima da sua empresa.

Por isso, é importante entender por que as ausências estão acontecendo e onde está sendo a falha.

Se você quer evitar problemas na entrega de resultados e no orçamento da empresa, é só seguir com a leitura para entender como você pode melhorar essa taxa. Confira!

Saiba o que é o absenteísmo no trabalho

 

A palavra “absenteísmo” é sinônimo de ausência e, na área do trabalho, relaciona-se com o comportamento dos profissionais com relação aos atrasos no trabalho e faltas justificadas ou não.

Sua origem vem do “absentismo”, êxodo de trabalhadores e proprietários rurais que abandonavam as terras para tentar a sorte no meio urbano. 

Atualmente, essa nomenclatura define um dos problemas mais antigos do mercado de trabalho, e mede a ausência dos colaboradores em dias laborais, seja por atrasos, faltas injustificadas, saídas adiantadas do expediente ou outros motivos.

Entenda os impactos das altas taxas de absenteísmo

O índice do absenteísmo é muito importante por delimitar o quanto a ausência dos colaboradores pode afetar a produtividade da empresa, inclusive ao sobrecarregar a parte da equipe que permanece trabalhando, causando demissões, prejudicando o clima e a qualidade das entregas.

Afinal, os níveis de engajamento dos colaboradores falam muito sobre o quão bom será o resultado entregue ao cliente. Por isso, é preciso ter em dia, na gestão de pessoas, o monitoramento da taxa e, inclusive, ações internas no tempo certo para melhorar cada vez mais os índices. 

O que pode causar o alto índice de absenteísmo?

As causas do problema que explicam a ausência dos colaboradores podem ser variadas, desde motivos de força maior (doenças, por exemplo) até a própria insatisfação com a empresa. 

A forma mais fácil de entender esses motivos é contatar os próprios funcionários, já que, se for por problemas pessoais ou familiares, ou causa médica, a empresa pode se dispor a ajudar no que for possível. 

Se as causas foram problemas de saúde mental, desmotivação, estresse, ou até mesmo falta de comprometimento com o trabalho, é importante analisar a forma como a empresa funciona para ver se o problema está em práticas internas, como:

  • Líderes extremadamente rígidos;
  • Metas irrealistas;
  • Má estrutura da empresa;
  • Falta de um Plano de Carreira;
  • Pouco investimento nos profissionais;
  • Clima organizacional negativo;
  • Excesso de tarefas;
  • Falta de comunicação ou transparência, etc.

É importante destacar ainda que é fundamental estar próximo do colaborador constantemente, não somente quando ele falta, pois pode dar a impressão de “controle” por parte da empresa.

Saiba como calcular a taxa de absenteísmo

O índice de absenteísmo é calculado pela relação entre o total de faltas e/ou atrasos, a quantidade de colaboradores e a quantidade de dias e/ou horas trabalhadas.

Se a conta envolver atrasos ou saídas, o ideal é contar em horas ou minutos, mas, se a intenção for contar apenas as faltas, o melhor é medir em dias.

Confira a fórmula para o cálculo de absenteísmo:

(Total de colaboradores x Total de faltas e/ou atrasos e/ou saídas) ÷ (Total de profissionais x Total de dias trabalhados)

Por exemplo, se há 40 colaboradores trabalhando por 6 horas diárias por 20 dias no mês, e há 1 falta por colaborador, o cálculo fica: 

 (40 x 1) ÷ (40 x 20) = 40 ÷ 800  = 0,05 ou 5% de Absenteísmo

Entenda qual é o nível máximo aceitável da taxa

Qualquer valor de absenteísmo interfere na dinâmica de trabalho, já que pode causar atrasos na produção, ou fazer com que um profissional precise ficar com a demanda do colaborador faltante. 

De acordo com a revista Exame, em pesquisa de 2019, o comum para o setor de serviços é uma taxa média de 5% em absenteísmo, já para o setor varejista a taxa pode ser ainda maior, de 7% até 10%.

Não há exatamente um “número ideal”, mas é perceptível que até 4% de absenteísmo ainda é uma taxa aceitável, principalmente enquanto não está comprometendo os processos no dia a dia da empresa.

Tudo depende da análise do Gestor de RH e da liderança sobre qual seria o limite suportável sem interferir com os bons resultados empresariais.

Conheça 7 ações para implementar e melhorar o índice de absenteísmo

Antes de determinar quais seriam as ações ideais para a empresa, o RH precisa analisar as causas de atrasos e faltas isoladamente. Quando o Absenteísmo é por motivos pessoais, a empresa pode se dispor a ajudar, mas quando é por motivos internos empresariais, é preciso construir estratégias para resolver o problema.

Por essa razão, é necessário manter a equipe pronta para definir estratégias para contornar essas situações. Confira as dicas:

1) Ofereça um plano de carreira

O Plano de Carreira é um dos recursos que mais contribuem para motivar os colaboradores, fazendo com que se sintam valorizados. O Plano constrói uma perspectiva a longo prazo, onde o colaborador pode galgar novos passos, atingir metas e, por isso, crescer na empresa.

Dessa forma, o Plano de Carreira contribui para o crescimento da empresa e dos colaboradores, que buscam participar de treinamentos e especializações para alcançar objetivos profissionais. 

Em contrapartida, a baixa expectativa quanto ao desenvolvimento profissional é bastante frequente quando o colaborador não vê formas de alcançar melhores patamares e construir a própria jornada profissional, resultando em faltas, atrasos e etc.

Quer entender mais sobre os benefícios do Plano de Carreira e saber como construir o plano ideal para a empresa? É só conferir o nosso artigo sobre o tema aqui.

2) Ofereça treinamentos para desenvolvimento profissional e pessoal

Treinamentos são ótimas ferramentas para motivar os colaboradores para que permaneçam mais presentes tanto fisicamente quanto mentalmente no trabalho.

Afinal, os profissionais ficam mais engajados quando podem melhorar as suas habilidades, mantendo um vínculo mais próximo, comprometido e afetivo com a organização.

Os treinamentos devem ser também com relação às soft skills, ou seja, questões comportamentais, como inteligência emocional, trabalho em equipe e liderança.

Além disso, é interessante oferecer os treinamentos de hard skills também, como: cursos de formação, cursos para o correto uso dos Equipamentos de Proteção Individual, programas educativos e etc.

3) Ofertar um plano de benefícios ao funcionário

O Plano de Benefícios é uma ótima estratégia para que os colaboradores fiquem mais motivados, já que são vantagens além do salário e da própria possibilidade de crescer na empresa. A partir do Plano de Benefícios, também é possível atrair e reter talentos.

O vale-refeição e planos de saúde são bastante visados pelos colaboradores (hoje considerados benefícios quase básicos).

Porém, existem benefícios extras, como folgas ou jantares no dia do aniversário. Lembre-se que esses benefícios devem ser escolhidos também de acordo com a realidade geográfica da empresa e a personalidade dos funcionários em geral .

4) Criar um ambiente de feedback dentro da empresa

Uma das causas da desmotivação é a sensação de estar perdido na empresa, sem saber se está errando ou acertando durante o trabalho, o que causa confusão, a falta de harmonia na equipe e até o desestímulo para melhorar.

O feedback é uma grande ferramenta para combater esse tipo de problema. Estimular o feedback dos funcionários auxilia a entender melhor o que eles pensam sobre a empresa e onde precisa melhorar.

Além disso, o feedback da empresa com o funcionário também é igualmente importante, pois fica claro para o colaborador quais os pontos positivos da sua participação na escolha, assim como os negativos.

5) Trabalhar programas de integração entre funcionários

É essencial manter atividades de integração, harmonia e construção de confiança entre os funcionários para que o trabalho em equipe seja mais leve e harmônico.

Os Programas de Integração reforçam os princípios e objetivos da empresa, unem a equipe (principalmente na chegada de um novo membro) e informam os colaboradores sobre pontos importantes, como quem são suas lideranças, competências do cargo e mais.

A integração pode ocorrer através de dinâmicas com a equipe, suporte para os colaboradores, orientações, debates, discursos, feedbacks, momentos para tirar dúvidas e mais.

Essa ferramenta diminui a taxa de absenteísmo ao minimizar a insegurança e desmotivação dos funcionários logo no início das suas jornadas dentro da empresa.  Quer saber como promover a integração na empresa? Clique e confira o nosso artigo!

6) Oferecer suporte social 

O suporte social é uma grande ferramenta para ajudar no retorno ao trabalho, pois ajuda a entender as suas situações pessoais dos colaboradores e evitar ausências, estresses, atrasos e outros problemas.

Esse tipo de suporte reúne medidas orientadas para tornar o ambiente mais saudável tanto do ponto de vista físico quanto psicossocial, são exemplos: programas como campanhas de vacinação e cuidados com a saúde, visitas de médicos para realização de exames, oferecimento de consultas com psicólogos. 

As ações de inclusão e diversidade são grandes aliadas do suporte social, já que trabalham questões psicossociais dentro da corporação. Confira aqui as 5 ações de diversidade e inclusão nas empresas que você deve implementar!

7) Trabalhar a ergonomia no local de trabalho

A ergonomia trabalha a relação entre os colaboradores e seus ambientes de trabalho no intuito de melhorar essa convivência. No âmbito físico, é essencial melhorar as condições para que os colaboradores não tenham danos à saúde.

O RH precisa analisar a ventilação, estrutura, iluminação, higiene e mais, inclusive observando as próprias posturas dos funcionários e comportamentos que podem trazer danos, como atividades repetitivas.

Esses riscos ocupacionais devem ser motivo de atenção redobrada, já que são prejuízo para o bem-estar dos funcionários e para a própria empresa, ao aumentar o número de ausências. O essencial é construir planos estratégicos para trabalhar a ergonomia.

Você conhece a NR17? A NR17 é a norma regulamentadora do Ministério do Trabalho, que estabelece diretrizes para que as condições de trabalho sejam as melhores no intuito de maximizar o conforto para os funcionários e melhorar os seus desempenhos. Você pode saber mais sobre essa norma aqui.

Mas, se quer ir além e construir o Plano de Ação para motivar equipes e evitar o absenteísmo, pode conferir o nosso artigo.

A Younder está com você nessa jornada! Queremos que você tenha o time com o melhor desempenho, e para isso oferecemos treinamentos criativos, para inteligência educacional, teóricos, práticos e personalizados. 

Clique no botão abaixo e fale com um de nossos especialistas!