Blog

O papel da tecnologia imersiva educacional em treinamento de equipes técnicas

Escrito por: Leandro Fernandes

Nos últimos anos, as empresas têm percebido a necessidade estratégica de disseminar conhecimento aos seus profissionais, sobretudo em áreas técnicas e operacionais. Assim, atualmente, o investimento em desenvolvimento de pessoas é a chave para impulsionar produtividade, resultados e lucro, sendo que a educação corporativa tem se revelado a melhor alternativa, principalmente quando apoiada por recursos tecnológicos.

Qual o panorama do treinamento no Brasil

Segundo a pesquisa “O Panorama do Treinamento no Brasil”, divulgada no fim de 2018, as empresas brasileiras investiram em Treinamento & Desenvolvimento (T&D) uma média de R$ 2,21 milhões. Em uma comparação com empresas norte americanas, que aplicam mais de US$ 1.200,00 anuais em treinamento por colaborador (ele recebe 33 horas de capacitação por ano), o valor investido anualmente no Brasil é de R$ 746 (equivalente a, aproximadamente, US$ 185,23), sendo que a carga é de 21 horas. Ou seja, por mais que seja tendência, ainda há um longo caminho a ser percorrido para que as companhias brasileiras se conscientizem completamente sobre a necessidade de investir na qualificação de seus funcionários. Além da produtividade, fatores como segurança e economia aumentariam com o estímulo ao treinamento e desenvolvimento.

As áreas mais impactadas com os treinamentos de equipes técnicas

Consideradas fundamentais em empresas de médio e grande portes, as áreas como Segurança do Trabalho e Gestão de Frotas são bons exemplos. A primeira traz medidas para minimizar acidentes de trabalho e doenças ocupacionais. Já a segunda é usada principalmente no setor de logística para economizar tempo e custos, seja com processos internos ou entregas. Ambas simbolizam a sinergia que deve haver entre os componentes tecnológicos e humano para o andamento das atividades.

E o que pode ser feito para assegurar essa sinergia? Treinar colaboradores de modo que eles entendam como é o funcionamento das máquinas e recursos utilizados no dia a dia, ao invés de só operá-los é um começo. Ao compreender como deve ser feito determinado movimento, a redução com custos de manutenção de equipamentos é certa. Deste modo, a educação corporativa pode ser aplicada usando ferramentas imersivas e de realidade virtual que facilitem o aprendizado e experiência dos funcionários.

Tecnologias a favor dos treinamentos de equipes técnicas

No Brasil, as empresas têm se interessado por inovações para o desenvolvimento de competências dos colaboradores, sendo que as tecnologias imersivas, por meio de simuladores ou realidade virtual, vêm ganhando notoriedade. Simuladores de veículos de variados portes, como carros, ônibus e caminhões, além de guinchos e empilhadeiras, por exemplo, são utilizados em capacitações por possibilitarem a simulação de diversos cenários e modelos de equipamentos. Isso permite ao colaborador a experiência das operações rotineiras e especiais associadas a cada tipo de objeto simulado, bem como o treinamento de comportamento e procedimentos mais adequados em distintas situações.

Além de proporcionar mais conhecimento ao time, as companhias têm percebido que o uso de tecnologia imersiva ajuda a reduzir custos de locação e deslocamentos de colaboradores. Outro ponto positivo é a possibilidade que os gestores têm de fazer monitoramento da evolução e aprendizagem, desde a condução de um veículo até a aplicação de um procedimento técnico. Este tipo de acompanhamento ajuda na análise e otimização de processos, e aumenta a segurança na tomada de decisões.

Conclusão

Por fim, quanto mais as empresas desenvolverem funcionários de suas áreas operacionais e técnicas, mais ela ganha em aspectos produtivos, além de potencializar eficiência em prazos e entregas. É desta forma que a tecnologia vem ganhando cada vez mais protagonismo, em um momento no qual as companhias precisam de profissionais mais engajados com suas políticas e cientes de sua importância do seu papel diário.